Assinatura RSS

ballet para adultos

Publicado em

O fisioterapeuta especialista em bailarinos José Luiz de Bastos Mello fala sobre os benefícios que podem ser obtidos por adultos sem experiência que querem iniciar a dançar ballet:

piruetas incríveis!

Publicado em

não resisti à tentação de colocar aqui esse vídeo desta pitoca de 8 aninhos chamada sophia lucia fazendo piruetas.

para saber quantos giros ela dá, conte pelo número de vezes que ela gira a cabeça. contaram?

incrível, né?

Aulas regulares de Aeróbica e Ballet em 2011

Publicado em

Confira no link abaixo os dias, horários e locais disponíveis para as aulas de ballet clássico e ginástica aeróbica esportiva que a professora Lica estará ministrando em 2011:

https://movefit.wordpress.com/profa-lica/classes-abertas/

Qualquer dúvida entre em contato: (51) 8433-9829 ou projetomovefit@yahoo.com.br

Apareça!

Ballet Adulto Iniciante – datas de fevereiro

Publicado em

Quinta, dia 17, das 18hs30min às 20hs

Sábado, dia 19, das 10hs30min às 12hs

Segunda, dia 21, das 18hs às 19hs30min

Sábado, dia 26, das 10hs30min às 12hs

Em breve divulgação do calendário oficial de 2011.

Crianças e adolescentes X musculação

Publicado em

O jornal O Globo divulgou no dia 13 de dezembro de 2010 a matéria intitulada “Especialistas liberam a prática de musculação para crianças e adolescentes”, que foi também divulgada pelo boletin CONFEF, do Conselho Federal de Educação Física. Clique no link abaixo para ver a matéria na íntegra:

 http://oglobo.globo.com/vivermelhor/mat/2010/12/13/especialistas-liberam-pratica-de-musculacao-para-criancas-adolescentes-923256551.asp

A reportagem ajuda a derrubar o mito de que expor a criança e o adolescente à musculação faz mal, muito pelo contrário: desde que orientado por um profissional da Educação Física, chega a ser indicado inclusive por médicos. Mas também é ressaltada a necessidade de incluir outras atividades aeróbicas, de flexibilidade e de iniciação desportiva. Ponto positivo!

O ponto negativo é que a reportagem não fala que mesmo orientado por um profissional da Educação Física, ele deve ser especialista no trato de crianças e adolescentes. O vídeo anexado à reportagem é uma vergonha: mostra crianças executando os movimentos sem a técnica adequada,  com movimentos bruscos nas articulações ou mesmo sem a amplitude desejada. Ou seja, a academia divulgada se diz possuidora de um programa desenvolvido  especialmente para este público mas parece não ter os cuidados necessários para evitar lesões e desenvolver estes jovens de maneira saudável. Baseado em que desenvolveu programa? No bolso?

Fica a pergunta: quando haverá a valorização dos profissionais especialistas em crianças e adolescentes?

Colocação do corpo e postura do ballet clássico

Publicado em

Com a difusão do treinamento funcional nas academias, a grande importância dada ao treinamento da musculatura do core, responsável pelo nosso equilíbrio e postura corporal, ressalta os benefícios do ballet clássico ao trabalhar inerentemente estas mesmas estruturas musculares durante as aulas. Um aluno que não possui esta musculatura trabalhada tem muita dificuldade em realizar os mais simples movimentos desta e de qualquer outra dança, sendo assim responsabilidade do professor desenvolver adequadamente estas habilidades em seus alunos.

Por serem músculos localizados na parte mais profunda da musculatura, seu trabalho demanda grande consciência corporal e concentração, sendo assim ótimo para ser aplicado com adultos que precisam aliviar o stress do dia-a-dia e mesmo aqueles que sofrem de desvios da coluna vertebral.

Observar detalhadamente os alunos e orientá-los na colocação correta da postura corporal deve ser tarefa diária do início ao final da aulas. A manutenção da postura corporal, além de favorecer a execução de todos os movimentos da dança, dá mais liberdade e maior plasticidade aos alunos e bailarinos.

A autora Iris Gomes Bertoni descreve que a colocação postural utiliza-se de forças contrárias e complementares que podem ser facilmente observadas no diagrama redesenhado abaixo:

Ao observarmos o desenho, percebemos que existe uma dissociação entre o tórax e os quadris que deve ser constante. Isso é essencial nos movimentos de flexão do tronco para frente, para trás ou para os lados ao distanciar mais uma vértebra da outra com a atuação das forças contrárias, criando um espaço maior na coluna vertebral para que o movimento aconteça especialmente no souplesse e cambré.

Manter os ombros para baixo, e “abrir” o peito e as costas favorece o trabalho de braços dos port de bras e nos giros, além de contribuir para tornar o bailarino mais longelíneo.

Os pés bem apoiados e relaxados no solo dão maior equilíbrio estático e dinâmico, favorecendo os elevés, preparação para giros e a impulsão para saltos.

Sentir como se o teto fosse “aparado” pela cabeça faz com que a imagem do bailarino seja ampliada no palco, deixando também toda a musculatura cervical com a mobilidade necessária para que os movimentos de cabeça dêem o acabamento final lírico, auxiliando também os movimentos rápidos de cabeça para a execução de giros e pirouettes.

Segundo Bertoni, esta postura não é estática mas sim dinâmica, mutável e fluente. Buscar a constante harmonização destas forças contribui para o controle energético adequado para tornar os movimentos mais naturais, evitando o desperdicio de energia com movimentos desnecessários e favorecendo a movimentação na dança.

Cursos de Verão e Aulas

Publicado em

Aulas regulares mesmo no verão:

Curso de férias, inscrições até dia 14, não perca!!!

Desvendando a puberdade – IV/IV

Publicado em

Avaliação dos estágios da puberdade em meninos baseado nos estudos de Tanner 

Após o estudo realizado com meninas, os pesquisadores avaliaram 228 meninos britânicos a cada 3 meses, feitas através de registro fotográfico para posterior análise e comparação com as 4 fases de desenvolvimento, consistindo na avaliação dos pêlos pubianos e do crescimento das genitálias. Algumas considerações foram feitas:

  • Cada indivíduo tem sua própria velocidade de maturação; alguns meninos iniciaram o processo em idades mais precoces e outros em idades mais tardias.
  • Um estágio seguiu-se ao outro, sem pular ou retroceder.
  • A genitália começa a se desenvolver entre as idades de 9,5 anos e 13,5 anos em 95% dos meninos e atingem a maturidade entre os 13 e 17 anos.
  • A idade do aparecimento dos pêlos pubianos não foi determinada com precisão.
  • A genitália chega ao estágio adulto por volta de 3 anos após o início do desenvolvimento, mas alguns garotos atingem mais rápido (1,8 anos enquanto outros chegam a levar 4,7 anos).
  • A genitália começa a se desenvolver antes dos pêlos púbicos serem visíveis (nas fotografias) em todos os garotos.
  • Acompanharam o pico de estatura em 41 meninos que o atingiram com a idade média de 14,1 anos.
  • Poucos meninos (5% da amostra) alcançaram o pico de velocidade de estatura antes da genitália estar no estágio 4 e 20% só tiveram o pico quando no estágio maduro.
  • O pico de estatura é atingido em média 2 anos mais tarde nos garotos que nas garotas, mas a genitália dos meninos desenvolvem-se somente 6 meses após o desenvolvimento mamário nas meninas.
  • Os pêlos pubianos aparecem 1 ano e 6 meses mais tarde em meninos do que em meninas.

para saber mais:

Tanner, J.M. and Marchall, W.A. (1969). Variations in Pattern of Pubertal Changes in Boys. Archives of  Disease in Childhood, 1970, 45, 13

Tanner, J.M. and Marchall, W.A. (1969). Variations in Pattern of Pubertal Changes in Girls. Archives of  Disease in Childhood, 44, 291

Barbanti, V. J. Treinamento esportivo: formação de esportistas. 1ª edição. Barueri. Manole, 2005.